Publicado em Sexta - 29 de Julho de 2016 | por Edição: Maria Claudia​/​Vitor Abdala – Repórter da Agência Brasil

Trabalhador perde 4,2% do poder de compra em um ano, diz IBGE

Na comparação com março, o rendimento médio caiu apenas em um dos dez grupamentos de atividades: informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (-5,3%). Nos demais, ficou estável.

Leia mais...

Não há previsão de reajuste dos combustíveis, diz presidente da Petrobras

Publicado em Quinta - 28 de Julho de 2016 | por Estadão Conteúdo

Mais cedo, também após visita a Meirelles na Fazenda, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que pretende pôr a matéria que modifica o regime do pré-sal em votação ainda em agosto. A proposta retira a obrigatoriedade da Petrobras em participar da exploração de todos os poços da camada pré-sal.

Leia mais...

Mato Grosso é o 2º maior gerador de empregos em 2016; agropecuária e indústria seguram

Publicado em Quinta - 28 de Julho de 2016 | por Viviane Petroli - Olhar Direto

Em 2016, até junho, o Brasil somou uma retração de 531.765 postos de trabalho. A maior queda no nível de emprego formal no ano foi registrada em São Paulo com 137.634 postos a menos, seguido do Rio de Janeiro com 104.818.

Leia mais...

Inadimplência de empresas aumenta 12,34% em junho em relação a mesmo mês de 2015

Publicado em Segunda - 25 de Julho de 2016 | por Edição: Maria Claudia​/​Da Agência Brasil

Leia mais...
Investimentos na matriz eólica contribuem para a geração de energia limpa
Investimentos na matriz eólica contribuem para a geração de energia limpa

Geração eólica cresce 77% e consumo de etanol, 18,6% em 2015

Publicado em Sexta - 22 de Julho de 2016 | por Edição: Nádia Franco/Nielmar de Oliveira – Repórter da Agência Brasil

O relatório revela ainda que, no ano passado, o consumo de energia proveniente de fonte eólica aumentou 77,1% em relação a 2014 e que o de etanol cresceu 18,6%. Ao mesmo tempo, o consumo de gasolina caiu 9,5%.

Leia mais...

FMI recomenda que Brasil aumente impostos para complementar ajuste fiscal

Publicado em Quinta - 21 de Julho de 2016 | por Edição: Nádia Franco​/Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil

Chamado de Nota de Vigilância do FMI para o G-20 (grupo que reúne as 20 maiores economias do planeta), o documento traz recomendações para a reunião de ministros das Finanças do grupo.

Leia mais...

Reforma trabalhista deve ser enviada até o fim do ano, diz Nogueira

Publicado em Quinta - 21 de Julho de 2016 | por Estadão Conteúdo

Para Nogueira, se a negociação coletiva prevalecesse sobre a legislação em todos os assuntos, não haveria necessidade de leis. “O importante é que não haja uma lei que diga o limite do nosso acordo. Eu acho que a representatividade sindical que fala pela categoria tem de ter essa confiança”.

Leia mais...
Arroz e feijão ficaram mais caros e pressionaram a prévia da inflação oficial.
Arroz e feijão ficaram mais caros e pressionaram a prévia da inflação oficial.

Prévia da inflação oficial fica em 0,54% em julho, diz IBGE

Publicado em Quinta - 21 de Julho de 2016 | por Anay Cury Do G1, em São Paulo

Essa alta foi puxada, não só pelo arroz e feijão, mas por todos os outros alimentos, que ficaram 1,45% mais caros de um mês para o outro, atingindo a maior taxa para os meses de julho desde 2008, quando chegou a 1,75%. Os consumidores que mais sentiram os preços subindo foram os de Goiânia, Curitiba e São Paulo.

Leia mais...
Ilan Goldfajn, novo presidente do BC, durante sabatina no Senado
Ilan Goldfajn, novo presidente do BC, durante sabatina no Senado

Em decisão esperada, BC mantém juros em 14,25%

Publicado em Quarta - 20 de Julho de 2016 | por Veja.com

Essa foi a primeira reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) presidida por Ilan Goldfajn, que assumiu o comando do BC em 13 de junho passado. A próxima reunião do Copom está marcada para os dias 30 e 31 de agosto.

Leia mais...
Setor de agronegócios foi um dos que gerou vagas neste ano entre as faixas salariais mais baixas
Setor de agronegócios foi um dos que gerou vagas neste ano entre as faixas salariais mais baixas

Brasil só cria vagas formais de até 1 salário mínimo, mostra Caged

Publicado em Quarta - 20 de Julho de 2016 | por Marta Cavallini Do G1, em São Paulo

Já as faixas salariais que mais fecharam vagas em 2014 foram de 1,51 a 2 salários e de 2,01 a 3 salários. Em 2015 o cenário se repete. Neste ano, as faixas com maior saldo negativo até maio são de 2,01 a 3 salários e de 3,01 a 4 salários (veja na tabela).

Leia mais...